Fita de LED ou mangueira luminosa? Veja vantagens e desvantagens

Está na dúvida de qual comprar? Entenda as diferenças de cada uma delas e escolha a melhor opção para o seu ambiente

Texto Marcelo Testoni | Fotos Shutterstock

Fitas de LED

 

Moderna e econômica
Derivada das lâmpadas de LED, a fita LED é indicada para iluminar indiretamente detalhes do ambiente, como sancas, rodapés, escadas, fundo de piscinas etc. “Quando usada sob a água vem envolvida por uma capa de silicone impermeável”, explica o arquiteto Gustavo Cipullo.

Vendidas por metro linear, as fitas também são duráveis: alcançam 50 mil horas de uso. Geralmente são vendidas com 30 a 100 LEDs por metro, o que significa muito brilho e o menor consumo entre todos os tipos de iluminação. Gastam cerca de 8 watts por metro para atingir a luminosidade da extinta lâmpada de 60 watts.

Potente e versátil
Comparadas às mangueiras de luz incandescente, por exemplo, as fitas de LED têm como principal vantagem a durabilidade e o consumo de energia baixo. “Uma mangueira pequena, de 1 metro, consome cerca de 15 watts e tem uma vida mediana estimada em 2 mil horas de uso”, comenta Cipullo. Além disso, as fitas de LED oferecem uma variedade maior de tonalidades, principalmente suaves, e não conferem o aspecto “seccionado” que as mangueiras costumam dar ao acabamento. As mangueiras também ficam ressecadas com facilidade pelo calor e entram em curto. Já as fitas de LED nunca aquecem.

 

Cálculo planejado
Flexível e autoadesiva, a fita de LED é vendida em rolos, mas deve ser cortada por módulos de tês a seis LEDs. Cortar fora dessa sequência pode inutilizar alguns LEDs. Além disso, para cada
medida de fita é indicado um driver, ou estabilizador, que regula a variação total da intensidade luminosa, sem alterar a cor da luz.

Mangueiras luminosas

São mais fáceis de instalar do que uma luminária de teto, por exemplo. “Basta uma tarde para aplicá-las onde quiser e pronto”, comenta o especialista em iluminação Herbert Abreu. As fitas de LED podem ser até mais compactas do que elas, mas a procura ainda é maior pelas luzinhas em mangueiras. “As incandescentes são mais baratas. Enquanto uma fita de LED chega a custar entre R$ 60 e R$ 150 o metro, uma mangueira do mesmo tamanho vale R$ 10”, afirma Abreu. As mangueiras também resistem mais a alterações no sistema, como picos de tensão.

Diferentemente da iluminação com fita, que requer muitas vezes mão de obra especializada para a instalação segura, a mangueira de luz pode ser aplicada por qualquer pessoa munida de um martelo e grampos plásticos para cabo. Agregar efeito acolhedor ao ambiente também é mais fácil com as mangueiras, já que possuem versões incandescentes, com luzes amarelas. As fitas de LED muitas vezes confundem, pois existem duas versões: “branca fria”, levemente azulada, e “branca quente”, que imita o efeito da incandescente. Se alguém errar e escolher a primeira, levará para
casa a iluminação de um escritório.

Legalização
Iluminar com mangueiras de luz incandescentes ainda é permitido no Brasil. O veto que começou a valer em 1° de julho de 2016 abrange apenas as lâmpadas incandescentes com potência de 41 a 60 W, que não atendem aos níveis mínimos de iluminação. As mangueiras, por sua vez, atingem entre 8,5 e 14,5 W.
*Gustavo Cipullo é arquiteto da Gustavo Cipullo, de São Paulo (SP). Herbet Abreu é especialista em iluminação da Loja Elétrica, de Belo Horizonte (MG)

Revista Construir Mais por Menos | Ed. 67